DETOUR

O DETOUR é um podcast sobre cinema, com recorte no cinema de gênero, de todas as épocas. Em cada episódio, Guilherme Martins e Filipe Furtado recebem um convidado e debatem sobre dois ou três filmes, cruzados e observados em conjunto.

A ideia é recuperar e discutir filmes que trabalham com códigos de gênero. Receberemos muitas vezes o nosso camarada Francis Vogner dos Reis, mas outros convidados devem aparecer.

Há uma gama de possibilidades: não ficaremos apenas no conceito mais básico do gênero, como o horror ou o faroeste. Teremos séries sobre slashers e giallos, vamos tratar de clássicos do policial brasileiro como SNUFF, PARANOIA e MISSÃO: MATAR. O foco é propor uma pauta onde os filmes conversem, o tipo de conversa pode variar muito, e a nossa única exigência é que nunca nos afastemos dos filmes em si.
 
Outra proposta muito cara ao DETOUR: queremos sempre que o debate principal, salvo participações mais que especiais, aconteça no nosso esforçado mini-estúdio móvel, no calor residencial, onde o debate pode ser feito com mais cumplicidade. Nada de errado no formato a distância, mas é uma escolha e certamente isto vai refletir na forma do nosso programa. O objetivo é criar um ambiente especial.
 
Teremos sempre um conteúdo adicional, com material sobre os filmes, textos citados (ou não, eventualmente), imagens e qualquer forma de informação que possa enriquecer a experiência dos nossos ouvintes sobre as nossas pautas.
 
Começamos na procura do aprendizado, sem medo de errar.

TV e Filmes, Review de Filme e História de Filme

Assine:

Episódios

#17 - NEAR DARK (1987), de Kathryn BIGELOW

Nova temporada, novos formatos, mesma fé no debate e no cinema de gênero. Retomamos nosso rumo após um ano sem episódios do Detour, após pensarmos muito sobre o que seria interessante melhorarmos no nosso podcast. Não perder a essência, mas retomarmos um pouco do plano original: a volta dos debates presenciais, entretanto as pautas ganham a possibilidade de serem também de filmes-solo. Queremos episódios sendo entregues de forma mais constante, alternando formatos conforme as pautas pedem. Guilherme Martins e Filipe Furtado debatem sobre NEAR DARK (1987), ou como foi lançado no Brasil, QUANDO CHEGA A ESCURIDÃO, segundo longa da Kathryn Bigelow.

Mergulhamos no universo fantástico da cineasta, onde corpos estão sempre em choque, conversando sobre toda a sua obra, da estreia com LOVELESS, ao fenômeno de CAÇADORES DE EMOÇÃO e a fase mais realista depois da consagração oficial de GUERRA AO TERROR. E com a inestimável colaboração de Francis Vogner dos Reis, debatemos por mais de uma hora o brilhante NEAR DARK, o seu vampirismo gótico rural americano, mezzo horror, mezzo faroeste, cujas luzes e sombras parecem tão cuidadosamente colocadas. Temas não faltaram e vocês são nossos convidados.

Eis o nosso índice:
1' – Apresentando a nova temporada do Detour 
6'18 – A obra de Kathryn Bigelow
27'43 – Near Dark, horror-faroeste-noir, participação do Francis
100'41 – Elegemos o nosso Top 5 da Kathryn Bigelow 

#16 - Especial Johnnie TO, pt. 2: THREE (2016)

A Pt. 2 do nosso especial Johnnie To. Cobre a carreira do diretor entre 2000 e 2019, suas novas parcerias e a consagração no ocidente. O estouro com Fulltime Killer, ida a Cannes com Eleição - sua obra é abraçada como um autor de relevância no exterior. Mas os filmes de To nunca deixam de olhar para Hong Kong: as tríades, a polícia corrupta, o governo chinês negociando com o crime organizado, a crise social e a falácia da guerra as drogas são muitas das facetas que são exploradas. Johnnie To revela-se um diretor social, embora totalmente formalista, realizando musicais graciosos como Sparrow e Office. Clássicos modernos como Romancing in Thin Air, Life without Principle e Drug War. E fechamos com um debate sobre THREE (2016) que é o seu penúltimo longa-metragem, apresentando sua faceta como cineasta veterano, experimentando com o domínio de um mestre, disposto a revirar o seu próprio estilo em busca de uma inspiração divina.

O Detour convida vocês, mais uma vez, a mergulhar no cinema de Johnnie To.

Eis o nosso índice:
1' – Apresentação
1'18 – Johnnie To: 2000 a 2019
50'01 – Three
99'31 – Elegemos nosso Top 5 do Johnnie To, próximo episódio, agradecimentos

#15 - Especial Johnnie TO, pt. 1: THE MISSION (1999)

Voltamos com mais um episódio dedicado a obra de um mestre do cinema: o JOHNNIE TO. Guilherme Martins e Filipe Furtado dissecam a carreira do cineasta, um dos maiores nomes do cinema de Hong Kong, até 1999, com o filme da pauta: THE MISSION. O plano original era fazer o especial em uma única parte, mas, pra variar, nos alongamos demais, e decidimos por dividir em duas partes, a próxima cobrindo a obra de To de 2000 até os dias de hoje e tendo como pauta o THREE (2016).

A partir da carreira de Johnnie To, desde 1980, também contamos um pouco sobre o que é a indústria de cinema de Hong Kong, especialmente naquela era, e também um tanto sobre a política que gere este território de características únicas: parte da China, ocupado pelo Reino Unido. E como To se tornou nos anos 90 um cineasta extremamente popular e a formação da sua própria produtora em 1996, a Milkyway, onde produziria e dirigiria dezenas de grandes filmes no começo do século. THE MISSION é a porta de entrada para este mundo no qual convidamos vocês a mergulharem conosco.

Eis o nosso índice:
1' – Apresentação, abraçando vocês
12'18 – Johnnie To: 1980 a 1999
64'33 – The Mission
122'05 – Explicando Pt. 2

#14 - Batalha de Slashers, vol. 2: CHAMAS DA MORTE (1981) vs. THE PROWLER (1981)

O nosso podcast sobre cinema de gênero retorna com mais um estudo, o nosso segundo, sobre o slasher no cinema americano. Se no 'vol 1', Guilherme Martins e Filipe Furtado abordaram duas sequências de filmes embrionários desse gênero fascinante, desta vez escolhemos focar a pauta em filmes que pertencem a era mais prolífica do slasher, o começo dos anos 80. Os filmes são CHAMAS DA MORTE (1981), ou The Burning como preferimos, um belo filme de Tony Maylam, cheio de bastidores curiosos, e o THE PROWLER (1981), realizado pelo Joseph Zito, outro interessante mergulho no submundo do slasher e no impacto do pós-guerra.

Entre os dois filmes, um grande artista, o Tom Savini, o mestre dos efeitos especiais de maquiagem. Procuramos contextualizar e contar um pouco mais sobre quem era este brilhante personagem, uma celebridade no mundo do gênero. Participam abrilhantando nosso programa João Pedro Faro e o grande estreante Marcelo Miranda.

Eis o nosso índice:

1' – Apresentação, O Nó do Diabo na Amazon, Oxigênio na Netflix
16'40 – Tom Savini, autor
50'13 – The Burning, participação de Marcelo Miranda
89'28 – The Prowler, participação de João Pedro Faro
144'44 – Elegemos o nosso Top 5 Savini, próximo episódio, agradecimentos

#13 - Homenagem a Monte HELLMAN: THE SHOOTING - O TIRO CERTO (1966) vs. CAVALGADA CONTRA O VENTO (1966)

Bem-vindos ao maior épico que o DETOUR já produziu em 1 ano de podcast: a homenagem ao Monte Hellman. Mais de 3 horas de conversa, mais que um debate, procuramos recuperar a carreira de Monte, das suas origens no teatro de Los Angeles até os faroestes produzidos pelo Roger Corman e estrelados por Jack Nicholson, THE SHOOTING - O TIRO CERTO (1966) e CAVALGADA CONTRA O VENTO (1966), o centro do nosso programa.

Como sempre, conduziram o papo Guilherme Martins e Filipe Furtado, contando com participações de João Pedro Faro e Francis Vogner dos Reis, ajudando a analisar essas duas obras-primas de Hellman. Tentamos entregar a homenagem mais completa possível ao Monte. Espero que gostem.

Eis o nosso índice:
1' – Apresentação, Sem Remorso na Amazon Prime, Eles Vivem na Netflix
12'44 – Monte Hellman, a primeira fase
57'59 – The Shooting – O Tiro Certo
84'16 – Cavalgada Contra o Vento
106'45 – João Pedro Faro, Francis Vogner dos Reis e os filmes em conjunto
171'23 – Monte Hellman, após os faroestes
190'50 – Elegemos o nosso Top 5 do Hellman, próximo episódio, agradecimentos

#12 - Investigações no plano cinéfilo: JANELA INDISCRETA (1954) vs. O MISTÉRIO DE SILVER LAKE (2018)

O DETOUR está de volta após mais uma pequena pausa para lidar com os dias difíceis de pandemia que nos assolam. Guilherme Martins e Filipe Furtado retomam o debate sobre a investigação como norte filosófico do cinema, a partir de uma matriz, o JANELA INDISCRETA, clássico canonizado do mestre Alfred Hitchcock, e de um de seus muitos pupilos, o MISTÉRIO DE SILVER LAKE (ou Under the Silver Lake, como eu prefiro), de David Robert Mitchell.

64 anos separam estas duas obras, mas a pergunta que nos gera fascínio é a mesma: o que as imagens mostram e como você as interpreta. João Pedro Faro nos ajuda a contar um pouco mais deste dístico.

Eis o nosso índice:  1' – Homenagem a Monte Hellman e recomendações no streaming 13'51 – O Hitchcock em 1954 e os bastidores de Janela Indiscreta 32'36 – Janela Indiscreta 70'42 – O Mistério de Silver Lake 127'58 – Elegemos os nossos favoritos do Hitchcock, próximos episódios, agradecimentos

#11 - YAKUZA(S): SONATINE (1993) vs. EYES OF THE SPIDER (1998)

Declaramos inaugurada a nova temporada no DETOUR! Guilherme Martins e Filipe Furtado retomam a mesa do nosso podcast discutindo sobre o cinema japonês. Na pauta tratamos sobre as matrizes do cinema de ação no Japão, nos debruçamos sobre a obra de Takeshi Kitano e debatemos a respeito da nossa primeira sessão dupla de 2021, estrelando SONATINE (1993), clássico de Takeshi Kitano que estabeleceu como um cineasta relevante no ocidente, e EYES OF THE SPIDER (1998), obscuro petardo de Kiyoshi Kurosawa.

Juntos, Kitano e Kurosawa são dois dos principais nomes do cinema japonês nas últimas três décadas. A Yakuza, a máfia japonesa, tem papel central nestes filmes e, principalmente, no corpo da obra de Takeshi Kitano como cineasta. Falar destes filmes também nos permite entender um pouco sobre a sociedade local. Nos ajudou com mais uma participação especial o João Pedro Faro, comentando o EYES OF THE SPIDER.

Eis o nosso índice:

1' – Apresentação e destaques do cinema de gênero em 2020 13'33 – Introdução ao cinema de ação japonês e Kinji Fukasaku 33'15 – O cinema de Takeshi Kitano 67'03 – Sonatine 93'51 – Eyes of the Spider 139'51 – Elegemos o nosso Top 5 do Kitano, próximo episódio, agradecimentos

#10 - Especial natalino: GREMLINS (1984) vs. GREMLINS 2: A NOVA TURMA (1990)

Um natal dantesco no DETOUR! Nosso primeiro especial natalino coloca em pauta uma sessão dupla com dois clássicos de Joe Dante, os GREMLINS (1984) e GREMLINS 2: A NOVA TURMA (1990).

Embora sejam filmes obviamente interligados, estrelem o pequeno Gizmo que se tornou parte do imaginário popular cultural, há muitas diferenças entre as propostas destes filmes: do jogo entre a fantasia juvenil e o horror do primeiro, para o escracho, a anarquia e o discurso anti-capitalista explicito da sequência. Guilherme Martins e Filipe Furtado conduzem o debate e recuperam toda a brilhante carreira de Joe Dante, desde o começo nos porões da New World de Roger Corman, até o auge nas super produções, como nos GREMLINS, VIAGEM INSÓLITA ou PEQUENOS GUERREIROS.

Eis o nosso índice:
1' – Apresentação e discutindo, das origens ao auge, a brilhante carreira de Joe Dante
42'17 – Gremlins
86'40 – Gremlins 2: A Nova Turma
138'49 – Elegemos o nosso Top 5 do Joe Dante e anúncio do primeiro episódio do ano II

#09 - Poliziottesco: CIDADE VIOLENTA (1970) vs. CÃES RAIVOSOS (1974)

Neste episódio, nosso time do Detour formado por Guilherme Martins e Filipe Furtado coloca em pauta um gênero que nos é demasiadamente caro: o poliziottesco ou poliziotteschi, o cinema policial italiano, popular especialmente nos anos 70. Por lá trabalharam alguns dos artistas mais talentosos da história do cinema, a frente e atrás das câmeras.

Além de uma introdução elaborada sobre este gênero, a sessão dupla debate CIDADE VIOLENTA (1970), filme do Sergio Sollima, um grande exercício em estilo, estrelado por Charles Bronson; e CÃES RAIVOSOS (1974), o improvável filme mais pessoal de Mario Bava, cinema extremo na sua melhor versão. Ajudaram a distância mais uma vez, os nossos colaboradores Francis Vogner dos Reis e João Pedro Faro.

Eis o nosso índice: 1' – Apresentação e introdução ao cinema policial italiano 53'53 – Cidade Violenta, Sergio Sollima, Bronson, Jill, participação do Francis Vogner dos Reis 105'20 – Cães Raivosos, Mario Bava, road movie, tempo real, participação de João Pedro Faro 165'09 – Elegemos o nosso Top 5 de poliziotteschi e agradecimentos pelo nosso ano I

#08 - Autor-personagem: EXORCISMO NEGRO (1974) vs. A CAT IN THE BRAIN (1990) vs. NOVO PESADELO (1994)

O novo DETOUR apresenta uma homenagem a José Mojica Marins, falando sobre EXORCISMO NEGRO (1974), o filme onde Mojica, o criador, enfrenta Zé do Caixão, a sua criatura. Para enriquecer o debate criamos uma sessão tripla, opondo Exorcismo Negro com dois filmes que também mostram seus autores como personagens: A CAT IN THE BRAIN (1990), de Lucio Fulci, e NOVO PESADELO (1994), de Wes Craven.

A conversa nessa sessão tripla é muita rica pois os filmes apresentam diferentes versões do horror que é ser um realizador atormentado por suas imagens, pelo seu mundo, pela sua fábula. Seja Mojica, seja Craven, seja Fulci: todos colocam em xeque suas obras a sua maneira. O radicalismo prevalece nos três casos. Na mesa, como sempre, Guilherme Martins e Filipe Furtado, recebendo a especial participação de Francis Vogner dos Reis e João Pedro Faro.

Eis o nosso índice:  1' – Apresentação, homenagem a Daria Nicolodi, recomendando Sem Seu Sangue no Netflix 04'06 – Exorcismo Negro, contextualizando a carreira de Mojica em 1974, Mojica contra Zé, as suas questões de fé 28'14 – A Cat in the Brain, Fulci e o pesadelo do ruir da indústria italiana, radicalismo godardiano e a expressão mais perfeita da decomposição biológica 58'16 – Novo Pesadelo, as imagens do horror que nos assombram, Craven quer a fábula como o último recurso contra a abjeção do mal, mundo dos sonhos na cidade dos sonhos 91'24 – Curto-circuito dos filmes em conjunto: mitos, imagens, fábulas que aterrorizam o criador, as participações de Francis Vogner dos Reis e João Pedro Faro, existiria limite pras imagens possíveis?, Mojica como nosso autor decisivo 153'53 –Nosso time elege o seu Top 5 do Mojica e agradecimentos
Próxima página

Megafono