Aqui tem ciência

O Aqui tem ciência é uma pílula sobre estudos da UFMG, abrangendo todas as áreas do conhecimento. Toda segunda nossa equipe de reportagem conversa com um pesquisador sobre o trabalho desenvolvido por ele e mostra como a ciência é importante para melhorar a nossa vida. 

Ciência e Medicina e Educação

Assine:

Episódios

34. Como o gênero influencia nossas decisões sobre o transporte?

Pesquisa de mestrado defendida no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFMG identificou as diferenças de mobilidade urbana, como a escolha do percurso e meio de transporte, entre mulheres e homens de diferentes regiões de Belo Horizonte.


33. Como as mulheres aparecem na capa da revista Tpm?

Pesquisa da Pós-Graduação em Comunicação Social da UFMG analisou capas da revista Tpm e sua capacidade de responder a anseios sociais relacionados à mulher.

32. Como é a vida de mães de crianças com Zika Vírus?

Pesquisa de doutorado da UFMG estudou as vivências de mães de crianças 

com Síndrome Congênita do Zika vírus em Campina Grande (PB) e identificou como essas mulheres trabalham as situações de vulnerabilidades. O episódio faz parte da série sobre o mês da mulher que, em março, traz pesquisas sobre mulheres e feitas por mulheres.

31. Como é ser reitora em uma universidade?

Pesquisa de doutorado da UFMG analisa discursos de reitoras e vice-reitoras de universidades mineiras. Apesar de obstáculos, gestoras reforçam uma  identidade profissional e feminista.

30. Mulheres no tráfico de drogas: vítimas ou culpadas?

No mês de março, o "Aqui tem ciência" traz pesquisas da UFMG feitas por mulheres e sobre mulheres. A primeira dessas pesquisas testou a hipótese de que, no Sistema de Justiça Criminal, homens e mulheres envolvidos em crimes recebem tratamentos diferentes. A pesquisa é da doutorada, advogada e professora de Direito, Tacyana Lopes, aluna, até 2019, do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFMG.



29. Quem são os homens do sertão brasileiro?

Pesquisa Programa de Programa de Pós Graduação em Geografia, do Instituto de Geociências da UFMG analisou quais formas a modernidade atravessa o sertão brasileiro e quais aspectos constroem a vivência do sertanejo que migra para diferentes lugares durante sua trajetória.

28. Há futuro para o Parque Estadual do Rio Doce?

Pesquisa do Programa de Pós Graduação em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre da UFMG analisou a evolução dos usos da terra do Parque Estadual do Rio Doce durante 30 anos. A área foi uma das atingidas pelo desastre de Mariana em 2015.

27. É possível tratamento da acne ser menos agressivo a pele?

Pesquisa do Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas da UFMG investigou formas de diminuir os efeitos indesejados do tratamento da acne que utiliza o ácido retinoico, um dos medicamentos mais utilizados para combater as espinhas e que é comercializado em forma de creme e gel. 



26. Como é a vida profissional para bombeiros gays?

Pesquisa da Pós-Graduação em Administração da UFMG investigou como os discursos de masculinidade afetam a vida profissional de bombeiros gays e, entre outras conclusões, constatou que eles geralmente são alocados para trabalhos com menos visibilidade.

25. Classificação racial: quais os critérios?

A identificação étnico-racial foi o tema de uma pesquisa desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFMG. O estudo analisou se, no Brasil, o status socioeconômico de uma pessoa tende a ser levado em conta quando ela é classificada por outrem e se as fronteiras raciais variam conforme as regiões do país.
Próxima página

Megafono