IGP Mentor

Criamos este canal para que possamos manter um contato mais freqüente com nossos ouvintes. São produzidos valiosos conteúdos do interesse de todos, agregando novos interessados no mundo dos cães de trabalho, através de temas relacionados ao IGP, à Ciência do Comportamento Animal Aplicada ao Treinamento de Cães e outros correlatos. Semanalmente, serão publicados novos episódios...fiquem ligados !!!
Visitem também nosso site: www.eugeniogfn.wordpress.com
Obrigado por ouvir nossos Podcasts.
Eugênio Gomes

Podcasting, Treinamento e Esportes e Recreação

Assine:

Episódios Mostrando página 1 de 1 (2 episódios)

O cão de IGP pode ser também um cão de família?

Um cão da IGP também pode ser um bom cão de família? Como a dinâmica familiar funciona com um cão de competição cheio de energia e motivado, em que foi estimulado e ensinado a morder, farejar, obedecer, entre outras coisas? Essa é uma preocupação legítima para muitos novos proprietários e treinadores. Afinal, muitos de nós, imaginamos ter cães como animais de estimação, o que significa que, para a maioria de nós, os cães são uma parte genuína da família. Mas e o seu futuro como cão de competição? Como criá-lo em casa? O que lhe é permitido?...

Usando a emoção certa durante o treino de IGP

Para cada seção (faro, obediência ou proteção) existe uma emoção certa a ser aplicada. E dentro de cada seção, cada exercício também tem a sua emoção certa. Por exemplo: se durante o trabalho de proteção o treinador fica apenas como um “admirador” do desenvolvimento do seu cão, segurando a guia e estático como um poste, ele não consegue uma boa comunicação com seu cão e acaba deixando o cão trabalhar sozinho, fazer todo o serviço. Outro equivoco, é o treinador se comportar de forma contrária, ou seja, estimular muito o cão com voz, agitação corporal demasiada, e desestabilizar o cão que poderá entrar em um alto grau de excitabilidade, provocando uma desestabilidade nervosa ou excesso de agitação. Na obediência, vejo treinadores treinarem seus cães por “telepatia”, trocando informações via “Bluetooth”, ou seja, continuam como meros espectadores. E no faro, ai a “coisa” complica mais um pouco, pois, a emoção é oposta à obediência e proteção, pois, é necessário concentração, mas, com a dose certa de motivação!

Megafono