Sala Pastoral

Vamos falar sobre necessidades e desafios diários de ser igreja. Podcast especial pra falar de discipulado e missão.

Religião e Espiritualidade

Assine:

Episódios Mostrando página 1 de 4 (35 episódios)

Transformação, fruto da fidelidade

Como Deus quer trabalhar a transformação em nosso caráter.

Conceito de Pacto

Compreender a origem nos ajuda a entender o funcionamento do sistema de Pacto.

Transformação, fruto da fidelidade

Como a fidelidade potencializa os processos de transformação em nossa vida.

Conceito de Pacto

Compreender o sistema bíblico de pacto nos ajuda a compreender a beleza dessa forma de ofertar.

Movidos por Princípios

Todos somos movidos por princípios. Eles revelam quem realmente somos.

Movidos por Princípios

Qual o impacto em nossa vida prática de sermos movidos por princípios?

As 3 bases da Unidade da Igreja

Como manter unida uma igreja com mais de 20 milhões de membros, em 200 países com dezenas de línguas diferentes?

Daniel 06


Reavivados por Sua Palavra - Daniel 6 O rei Dario resolveu dividir o reino em 120 províncias e nomeou um alto funcionário para governar cada uma delas. O rei também escolheu como administradores Daniel e outros dois homens, para que supervisionassem os altos funcionários e protegessem os interesses do rei. Em pouco tempo, Daniel se mostrou mais capaz que todos os outros administradores e altos funcionários. Por causa da grande capacidade de Daniel, o rei planejava colocá-lo à frente de todo o reino. (Dn 6:1-3) Os outros administradores e altos funcionários começaram a procurar falhas no modo como Daniel conduzia as questões de governo, mas nada encontraram para criticar ou condenar. Ele era leal, sempre responsável e digno de confiança. Por isso, concluíram: “Nossa única chance de encontrar algum motivo para acusar Daniel será em relação às leis de seu Deus”. (Dn 6:4-5) “Agora, ó rei, decrete e assine essa lei para que não possa ser mudada, como lei oficial dos medos e dos persas, que não pode ser revogada” (Dn 6:8) Quando Daniel soube que a lei tinha sido assinada, foi para casa e, como de costume, ajoelhou-se no quarto no andar de cima, com as janelas abertas na direção de Jerusalém. Orava três vezes por dia e dava graças a seu Deus. (Dn 6:10) Quando o rei ouviu isso, ficou muito angustiado e procurou uma forma de salvar Daniel. Passou o resto do dia pensando num modo de livrá-lo dessa situação. (Dn 6:14) Por fim, o rei deu ordens para que Daniel fosse preso e lançado na cova dos leões. O rei lhe disse: “Que seu Deus, a quem você serve fielmente, o livre”. (Dn 6:16) De manhã bem cedo, levantou-se e foi apressadamente à cova dos leões. Quando chegou lá, gritou angustiado: “Daniel, servo do Deus vivo! O Deus a quem você serve tão fielmente pôde livrá-lo dos leões?”. (Dn 6:19-20) Daniel respondeu: “Que o rei viva para sempre! Meu Deus enviou seu anjo para fechar a boca dos leões de modo que não me fizessem mal, pois fui considerado inocente aos olhos de Deus. Também não fiz coisa alguma contra o senhor, ó rei”. (Dn 6:21) “Decreto que todos em meu reino devem tremer de medo diante do Deus de Daniel. Pois ele é o Deus vivo e permanecerá para sempre. Seu reino jamais será destruído, e seu domínio não terá fim. Ele livra e salva seu povo; realiza sinais e maravilhas nos céus e na terra. Foi ele que livrou Daniel do poder dos leões”. (Dn 6:26-27) Assim, Daniel prosperou durante o reinado de Dario e durante o reinado de Ciro, o persa. (Dn 6:28)

Daniel 05


Reavivados por Sua Palavra - Daniel 5 “Muitos anos depois, o rei Belsazar deu um grande banquete para mil de seus nobres e bebeu vinho com eles. Enquanto Belsazar tomava vinho, ordenou que trouxessem as taças de ouro e prata que seu antecessor, Nabucodonosor, havia tirado do templo em Jerusalém. Queria beber nessas taças com seus nobres, suas esposas e suas concubinas.” (Dn 5:1-2) “De repente, viram dedos de mão humana escreverem no reboco da parede do palácio real, perto do candelabro. O próprio rei viu a mão enquanto ela escrevia, e seu rosto ficou pálido de medo. Seus joelhos batiam um contra o outro, e suas pernas vacilavam.” (Dn 5:5-6) “A rainha-mãe soube do que estava acontecendo ao rei e seus nobres e foi depressa à sala de banquetes. Disse ela a Belsazar: “Que o rei viva para sempre! Não fique tão pálido e assustado. Há em seu reino um homem que tem nele o espírito dos santos deuses. Durante o reinado de Nabucodonosor, esse homem demonstrou percepção, entendimento e sabedoria como a dos deuses. Seu antecessor, o rei Nabucodonosor, o nomeou chefe de todos os magos, encantadores, astrólogos e adivinhos da Babilônia. Esse homem, Daniel, a quem o rei deu o nome de Beltessazar, tem inteligência extraordinária e é cheio de conhecimento e entendimento. É capaz de interpretar sonhos, explicar enigmas e resolver problemas difíceis. Mande chamar Daniel, e ele lhe dirá o que significa a inscrição”.” (Dn 5:10-12) “Ó Belsazar, o senhor é sucessor dele e sabia de tudo isso, mas mesmo assim não se humilhou.”(Dn 5:22) “Esta é a mensagem que foi escrita: MENE, MENE, TEQUEL e PARSIM. E este é o significado das palavras: Mene: Deus contou os dias de seu reinado e determinou seu fim. Tequel: Você foi pesado na balança e não atingiu o peso necessário. Parsim: Seu reino será dividido e entregue aos medos e aos persas”.” (Dn 5:25-28) “Naquela mesma noite, Belsazar, rei da Babilônia, foi morto. E Dario, o medo, tinha 62 anos quando se apoderou do reino.” (Dn 5:30-31) É isto que diz o SENHOR a Ciro, seu ungido, cuja mão direita ele fortalecerá. Diante dele, reis poderosos ficarão paralisados de medo; os portões de suas fortalezas se abrirão e nunca mais se fecharão. (Is 45:1) Desça, ó Babilônia, e sente-se no pó, pois chegaram ao fim seus dias no trono. […] A calamidade cairá sobre você, e não terá como comprar seu livramento. Uma catástrofe a atingirá de repente, e não estará preparada para ela. (Is 47:1; 11bc)

Daniel 04


Reavivados por Sua Palavra - Daniel 4 “O rei Nabucodonosor enviou esta mensagem a povos de todas as raças, nações e línguas em todo o mundo:” (Dn 4:1) “Como são grandes seus sinais, como são poderosas suas maravilhas! Seu reino durará para sempre, e seu domínio, por todas as gerações.” (Dn 4:3) O SONHO “Enquanto estava deitado em minha cama, tive este sonho. Vi uma grande árvore no meio da terra. A árvore cresceu e ficou muito alta e forte; chegava até o céu e podia ser vista por todo o mundo. Suas folhas eram verdes e novas, e ela era cheia de frutos para todos comerem. Animais selvagens viviam à sua sombra, e aves faziam ninhos em seus ramos. O mundo todo se alimentava dessa árvore. Então, enquanto eu sonhava, vi um mensageiro, um ser santo, que descia do céu. O mensageiro gritou: ‘Derrubem a árvore e cortem seus ramos! Arranquem suas folhas e espalhem seus frutos! Espantem os animais selvagens de sua sombra e as aves, de seus ramos. Mas deixem na terra o toco, com suas raízes, preso com um anel de ferro e bronze e cercado da relva verde. Que seja molhado pelo orvalho do céu e viva com os animais selvagens, em meio às plantas do campo. Durante sete períodos, terá a mente de um animal selvagem em vez de mente humana. Pois isso foi decretado pelos mensageiros; foi ordenado pelos seres santos, para que todos saibam que o Altíssimo domina sobre os reinos.” (Dn 4:10-18) SIGNIFICADO “Essa árvore é o próprio rei. […] O rei será expulso do convívio humano e viverá nos campos, com os animais selvagens. Comerá capim, como os bois, e será molhado pelo orvalho do céu. Viverá desse modo por sete períodos, até entender que o Altíssimo domina sobre os reinos do mundo e os dá a quem ele quer. As raízes e o toco, porém, foram deixados na terra. Isso significa que o senhor receberá seu reino de volta quando tiver aprendido que o céu domina.” (Dn 4:22a; 25-26) APELO “Ó rei Nabucodonosor, aceite meu conselho. Pare de pecar e faça o que é certo. Deixe seus pecados para trás e tenha compaixão dos pobres. Quem sabe, então, o rei continuará a prosperar.” (Dn 4:27) O SONHO SE CUMPRE Tudo isso, porém, aconteceu ao rei Nabucodonosor. Doze meses depois, ele caminhava sobre o terraço de seu palácio na Babilônia e disse: “Vejam a grande cidade da Babilônia! Com meu próprio poder, construí esta cidade para ser o centro de meu reino e para mostrar o esplendor de minha majestade”. […] Naquela mesma hora, a sentença se cumpriu e Nabucodonosor foi expulso do convívio humano. Passou a comer capim, como os bois, e foi molhado pelo orvalho do céu. Viveu desse modo até seu cabelo crescer como as penas das águias e suas unhas se parecerem com garras de pássaros.” (Dn 4:28-30; 33) RESTAURAÇÃO “Quando minha sanidade voltou, também recuperei minha honra e a majestade de meu reino. Meus conselheiros e nobres me procuraram e fui restaurado ao meu reino, com muito mais honra que antes. Agora eu, Nabucodonosor, louvo, glorifico e honro o Rei dos céus. Todos os seus atos são justos e verdadeiros, e ele tem poder para humilhar os orgulhosos”. (Dn 4:36-37)
Próxima página

Megafono