Textos & Trilhas

Ao longo de muitos anos, ouvi muitas músicas e li muitos textos e poemas. Eu próprio escrevi alguns e compus algumas músicas. Nem todas as letras e músicas tiveram a oportunidade de encontrar-se e serem companheiras para sempre. Assim como na vida acontece com os amores. Como nunca deixei de acreditar que seria possível encontrar alguém para seguir lado a lado, mesmo não tendo tido a sorte de acertar à primeira, entendi que letra e música deveriam também ter outra oportunidade. Não por incompatibilidade absoluta, mas por achar que posso encontrar a beleza e o equilíbrio, mesmo numa história rasurada. Se outras pessoas aqui se encontrarem e perceberem a mensagem de uma nova oportunidade, de que vale sempre a pena a procura, de que a felicidade não vem sempre na primeira viagem... então a rasura terá valido a pena. Vou reunir textos e propor novas trilhas para as palavras. Como me propus viver. Sempre em busca de algo que talvez só exista no universo delirante de um poeta. Ou talvez não...

Literatura, Música e Autoajuda

Assine:

Episódios

Cavalo audaz

Quando a audácia reflete mais que as palavras, a ousadia irrompe bravia pelo desafio de ultrapassar os ícones, ou é maturidade ou pura inocência. Seja de que for feito o desafio, os textos são de quem os toma e as trilhas de quem com elas vibra. Este imortal José Carlos Ary dos Santos, uma das minhas referências poéticas mais intocáveis, merecia uma visita. Releitura audaciosa como o cavalo que anda à solta no meu peito. O meu cavalo audaz, o meu amor pertinaz e mais um momento tão sublime quanto fugaz.

Jardim do amor

Os amores e suas quimeras... Manter a esperança e a crença no sentimento que todos gostariam de experimentar, mas acima de tudo receber, é um exercício de sobrevivência e superação permanente. Por vezes as razões para sonhar esvanecem e deixam o amor fenecer.  Mas as palavras do poeta, ornamentam os entornos da vida, realçam o superlativo do belo que aportam no colo quente, regaço de alento perene que se veste do sentimento que floresce.

Espere morena

A pressa de chegar em cada viagem, em cada ausência, faz a saudade apertar. A premência de estar é maior que os escolhos no caminho da presença. É a ausência como uma vergastada, que abre olhos e caminhos para verdadeira magnitude da presença. A estrada é longo e atribulada, mas a calma e a paz da chegada, são o bálsamo e a pedra de toque. Luis Gonzaga do Nascimento empresta o Texto e Dan Lebowitz, a trilha. Assim se compõe a mensagem de onde venho, para onde vou. Para nunca mais voar.

Ela e o caderno

Foi a partir das reflexões de uma amiga muito recente. Ela partilhava a riqueza de ter, ao longo de sua vida, sempre presente um caderno. Ali anotou de forma aleatória, momentos traduzidos em palavras. Foi ouvi-la que acicatou a vontade antiga de trazer esse magistral Poema de Toquinho e Lupcínio ao Textos & Trilhas. Nada acontece por acaso e por ter sido Ela quem me incitou a realização do desafio, nada mais justo que juntar Ela (She), da obra prima de Costelo, ao caderno dela. Seu nome é Paula e seu caderno é um Momento.

Luz dos olhos teus

Se um dia encontrares uma luz nos olhos de alguém que te faça incendiar, então não resistas e faça como o Poeta Vinicius. Deixe-se levar. Deixa o Texto encontrar outra Trilha e que o fogo desse olhar seja a nova centelha, não resistas e não deixe o paradigma dos amores vividos e perdidos, impedir-te de sonhar.

Imagine

O sonho de um poeta caído, deixa o legado de um sonho que nunca se apagará. Agora com outras vestes em mínimas semínimas e colcheias.  O Poeta John Lennon (autor do texto), que imaginou tão bem um mundo onde não houvesse razões para matar, deixou um legado de vida. Um sopro de esperança eternizado em forma de convite. Que nunca deixemos de sonhar. Com um mundo sem fome, sem ganância, crueldade ou pragas. Em todos os momentos difíceis da história que sucede estas palavras, seu poema renasce. Como que a relembrar, apesar de haver desvios e rasuras, que o caminho é simples. A resposta é um. 
A Trilha Pacefull Conclusion, de Asher Fulero, serve de suporte e veste uma tradução livre, mas fiel do poema original.

Textos & Trilhas

Chegamos ao episódio onde o Texto descreve a música e a Trilha canta o Texto. Encantam-se um pelo outro. Esta simbiose que é um regalo de vida onde meus dedos saltam do teclado para as cordas e quando regressam, transformam as letras em notas, as linhas em pautas, o encontro em canção. Essa é a essência deste podcast. Uma dose semanal de emoção.

Rendido

Uma viagem às sombras de uma trilha que passeia entre ritmos eletrónicos algures entre o RAP e a poesia pura e dura. Um Texto sombrio e de figuras fortes. Marcado por um discurso cáustico e pontuado por imagens de metáforas que expurgam o romantismo como numa espécie de catarse. Rendido traz a tona, o sentimento de incapacidade que tantas vezes assombra a nossa intenção de recomeçar, sem jaça, sem pechas.
Um grito de resignação e aceitação com aromas de uma discordância latente, que verga sob o peso das evidências. 

Frente a frente

A celebração do amor quando acontece, suave e delicado como os castelos em areia, recupera devaneios. As sombras crescem e alongam-se até ao clímax do ocaso. Quando o sol se esconde na linha do horizonte é varrido pela escuridão da noite. As ondas vem e apagam as memórias desfazem-se os castelos na areia. No dia seguinte, nova luz, areal em branco. Espaço para novos sonhos, novos castelos, oportunidade para fazer renascer a sombra resiliente do amor.

Fun in the sun

Sem pudores nem concessões ao politicamente correcto, os amores são sempre feridos da Síndrome de Poliana. Em certa medida, as paixões aportam até um complexo de Cinderela. Mas por que é que não se pode sonhar. Afinal a vida imita a arte ou a arte imita a vida? É bom ser audaz e desafiar os tratados relacionais, e vender sonhos em doses moderadas de fantasia. Um romance naif de vez em quando, mesmo picante, acicata a vida!
Próxima página

Megafono