Universo Literário

Um minipodcast sobre literatura e cultura em pílulas de 5 minutos sobre a cultura, suas curiosidades e seu impacto em nosso cotidiano.
Baseado na minha coluna semanal da CBN Amazônia 98.5 MHz que vai ao ar todas às segundas e terças-feiras.

Sociedade e Cultura, Literatura e TV e Filmes

Assine:

Episódios

Umberto Eco, um intelectual apaixonado por livros

TEMA: Umberto Eco
====================================

  • A primeira coluna do ano de 2020 homenageia um intelectual italiano de fama mundial. Autor de mais de 30 livros, entre ensaios, livros de filosofia, semiótica, linguística e romances que entraram na lista de best sellers internacionais. Homenageamos esta semana o autor Umberto Eco.

  • Umberto Eco foi um escritor, filósofo, semiólogo, linguista e bibliófilo italiano. Nasceu dia 05 de janeiro de 1932. Foi um dos grandes intelectuais da área da semiótica, um dos fundadores da semiótica moderna. Ensinou na universidade de Bolonha, em Yale, Columbia, Harvard, Collège de France e Universidade de Toronto. 

  • Ao longo da década de 1960 Umberto Eco realizou diversos estudos sobre semiótica abordando as diversas interpretações que o ouvinte, leitor ou telespectador pode conseguir através de uma obra artística. Este estudo é uma das suas principais contribuições intelectuais, e recebeu o nome de “Obra Aberta”. Neste conceito, uma obra de arte pode ter diversas e múltiplas interpretações, todas igualmente válidas. 

  • No ano de 1980 publicou o livro pelo qual seria mais conhecido, “O Nome da Rosa”. Este foi o seu primeiro romance e tornou-se um divisor de águas em sua carreira literária, pois com ele consagrou-se na literatura. O livro gerou uma grande repercussão, sendo adaptado para o cinema em 1986 pelo diretor Jean-Jacques Annaud (anú).

  • O livro conta uma intrincada história de detetive que se passa em um mosteiro medieval italiano do século XIV. Uma série de crimes abala o recanto sagrado e um frade franciscano, William de Baskerville, detetive que se comporta como o famoso Sherlock Holmes, além da referência no nome do personagem, uma alusão a um livro de Holmes. O personagem principal é assessorado por seu discípulo, o noviço Adso de Melk.

  • Umberto Eco empreende neste romance uma jornada fictícia rumo à Era Medieval vigente na Europa, uma metáfora do dogmatismo não só religioso, mas especialmente político, que rege não só a Itália, terra natal do autor, mas também uma vasta região do Planeta. Aqui ele debate abertamente as questões que subjazem sob crenças e ideologias contemporâneas, como as antigas contraposições entre o bem e o mal, o certo e o errado, vida e morte, elementos essenciais da doutrina cristã.

  • Outra importante referência literária presente nesta obra é a biblioteca que atua como cenário das investigações de William de Baskerville, a qual parece ter sido inspirada pelo conto A Biblioteca de Babel, do escritor argentino Jorge Luis Borges além do próprio Borges, na figura do monge cego Jorge de Burgos.

  • O livro vendeu milhões de exemplares, sendo, provavelmente o mais lido das décadas de 1980-1990. Após a adaptação cinematográfica o sucesso foi ainda maior. Umberto Eco escreveu ainda outros romances, além de O nome da Rosa, são eles: O pêndulo de Foucault (1988), A ilha do dia anterior (1994), Baudolino (2000), A misteriosa chama da rainha Loana (2004), O cemitério de Praga (2011) e O número Zero (2015).

  • Eu tenho todos os romances de Eco e indico aqui, principalmente, o Nome da Rosa, O pêndulo de Foucault e O Número Zero, seu último livro. Além destes romances, recomendo também os ensaios Cinco escritos Morais, Entre a mentira e a ironia, Sobre a literatura e Não contem como fim do livro.

  •  Além destes textos escritos, recomendo, claro, o filme “O nome da Rosa” que é uma adaptação um pouco diferente do livro (sem as intrincadas teses filosóficas, teológicas e religiosas), mas igualmente interessante pela contextualização da época e a representação do imenso poder da Igreja Católica na Idade Média Europeia.

  • Umberto Eco morreu de câncer no pâncreas em sua casa, em Milão, na noite de 19 de fevereiro de 2016.

Listas de Final de Ano

Você faz listas de final de ano?
Ouça este podcast!

Livros natalinos

Livros natalinos
====================================
  • O final de ano é uma época com muitas festas e confraternizações. Para os cristãos ocidentais o centro das festas e comemorações é o natal que, além de tudo, marca o período de férias escolares. Nada melhor, portanto, do que, durante a troca de presentes, ofertar ou receber um bom livro. Para aproveitar o clima de festejos e o espírito do natal, nas horas de descanso, claro, sempre é recomendável, também, ler um bom livro. A coluna separou, esta semana, 4 livros que se passam ou celebram esta época natalina. A maioria são contos curtos ou novelas, ideal para ler entre uma comemoração e outra.
  • O primeiro livro é uma preciosidade do mundo das letras, o livro “Cartas do Papai Noel”, de J. R. R. Tolkien. Sempre em dezembro, os filhos de Tolkien recebiam misteriosos envelopes com um selo do Polo Norte. As cartas pareciam ter sido escritas pelo próprio Papai Noel, com sua letra trêmula e desenhos coloridos. O autor de O Senhor dos Anéis manteve essa surpresa para os filhos por 23 anos — entre 1920 e 1943 — e reuniu todas as cartas neste livro, talvez um dos menos conhecidos de toda a sua obra. O livro é recomendadíssimo, há uma versão em língua portuguesa, excelente, com ilustrações feitas pelo próprio autor. É um livro sensível, muito bem escrito e cheio de aventuras. Desde a primeira carta para o filho mais velho, em 1920, até a comovente última carta para a caçula, em 1943, o livro reúne todas as memoráveis cartas e desenhos que Tolkien fez para os filhos em uma edição que vale muito a pena ser lida, inclusive, em família.
  • O segundo livro é “O natal de Poirot” de Agatha Cristie. Este livro é para aproveitar o natal em clima de suspense. Na Véspera de Natal, A reunião da família Lee é arruinada pelo barulho ensurdecedor de móveis sendo destroçados, seguido de um grito agudo e sofrido. No andar de cima, o prepotente e tirânico Simeon Lee está morto, numa poça de sangue, com a garganta degolada. Mas quando Hercule Poirot, que está no vilarejo para passar o Natal com um amigo, se oferece para ajudar, depara-se com uma atmosfera não de luto, mas de suspeitas mútuas entre os diversos parentes. Livro interessantíssimo para prender a atenção em um dos clássicos de Agatha Cristie.
  • A terceira dica é Dia de folga de John Boyne. Em um conto breve e melancólico, o autor John Boyne (criador do best-seller O menino do pijama listrado) acompanha o dia de folga de um jovem soldado inglês e seus companheiros, que passam a véspera de Natal em uma das trincheiras da Primeira Guerra Mundial. Enquanto relembra os natais da infância e o conforto do seu lar, ele vê e ouve as bombas alemãs caindo a sua volta. Em meio a um dos piores conflitos do século XX, o jovem irá vivenciar um espírito natalino muito diferente do que estava acostumado. Livro interessantíssimo para ver natal sobre uma perspectiva diferente.
  • A quarta dica, é o meu preferido, o livro de natal definitivo, o clássico “Contos de Natal” de Charles Dickens. É um dos livros que mais renderam adaptações e releituras natalinas no cinema, rádio, teatro e versões de paródia. Publicada em 1843, a história acontece em meio ao frio e à neve da cidade de Londres, à véspera do Natal, todos preparam-se para a celebração do nascimento de Cristo. Apenas uma pessoa não parece feliz com o Natal: o velho Scrooge, homem de negócios sovina, ranzinza e solitário. Ele então é visitado por três fantasmas de seu próprio passado, presente e futuro, em uma incrível experiência que pode finalmente despertar-lhe alguma compaixão. O livro tem uma moral absolutamente tocante sobre o verdadeiro, assim chamado, espírito natalino. Recomendadíssimo.
  • Há inúmeros outros livros sobre o natal. Estes são os que recomendo no curto espaço que dispomos. Além destes há, também inúmeros filmes sobre a época. Eu recomendo os que são baseados em livros, como O expresso polar com Tom Hanks, baseado em livro homônimo de Chris Van Allsburg. Os fantasmas de Scrooge, baseado no livro “contos de natal” de Dickens e “Deixe a neve cair” baseado na obra literária Let It Snow, de Maureen Johnson, John Green e Lauren Myracle.
  • Bom, o natal é essa época de confraternização. Nada melhor, portanto, que seguir as dicas da coluna e acompanhar um bom livro, conto ou até mesmo, filme natalino. Feliz Natal a todos.

Jane Austen, a autora feminina mais lembrada por tod@s

Jane Austen, a autora feminina mais lembrada por tod@s
====================================
  • Nesta semana, de 15 a 21 de dezembro lembramos o aniversário de Gustave Eiffel e Chico Mendes (15); Olavo Bilac e Jane Austen (16); Ludwig Van Beethoven, o papa Francisco e Érico Veríssimo (17), Spielberg e Keith Richards (18); Édith Piaf (19)e, finalmente, Benjamin Disraeli, Jane Fonda e Frank Zappa (21)
  • Mas, nossa coluna homenageia, nesta semana, uma das mulheres mais importantes da história da literatura, a inglesa, Jane Austen. Não há autora feminina mais lembrada por todos do que a autora de Razão e Sensibilidade e Orgulho e Preconceito.
  • Jane Austen nasceu em 16 de dezembro de 1775, em Steventon, Hampshire, Inglaterra, sendo a sétima filha do reverendo George Austen, o pároco anglicano local, e de sua esposa Cassandra (cujo nome de solteira era Leigh). Era de uma família pertencente à nobreza agrária, sua situação e ambiente serviram de contexto para todas as suas obras posteriores.
  • Desde a pré-adolescência, ela já mostrava inclinação e talento para a escrita, desenvolvendo contos, romances e peças que lia em voz alta e apresentava para a família toda.
  • A habilidade de escrever personagens femininas complexas e de explorar os conflitos das relações de classe e gênero fizeram dela uma escritora à frente de seu tempo, publicando clássicos como Razão e Sensibilidade (1811), Mansfield Park (1814), Emma (1815), A Abadia de Northanger e Persuasão (ambos de 1818).
  • A obra de Austen está isolada na literatura européia, porque à sua época o curso da evolução literária estava ainda determinado pelo romantismo.
  • Muito objetiva a respeito do mundo em que viveu e dos personagens que criou, e excluído todo e qualquer subjetivismo através de uma severa disciplina classicista, a obra de Jane Austen revela profunda seriedade moral na crítica da vida, pouco lirismo e nenhuma paixão.
  • Ao mesmo tempo, seus livros possuem um fino humorismo, tipicamente inglês. Seu espírito cômico se exercitou sobre paixões mais intelectualizadas, menos imediatas: orgulho, vaidade, ambição, contradições pessoais, preconceitos. Sempre com uma visão extremamente complexa da mulher e de seu papel na sociedade.
  • Os romances de Austen surgiram no momento em que livros de aventura e exploração faziam sucesso. Em vez de abordar esses assuntos, ela escolheu esmiuçar intrigas familiares no universo rural e limitado de seus personagens.
  • A temática de seus livros é de extrema densidade. Os enredos são baseados em histórias de amor e casamento, e incidentes da vida diária de personagens comuns, vivendo no pequeno meio social de província. Sua melhor qualidade não se manifesta no desenvolvimento da ação, mas na criação de caracteres, que se revelam apenas através dos diálogos, o que torna esse processo de autocaracterização eminentemente dramático.
  • Ela tem uma escrita polida e a maneira lenta, vagarosa, de movimentar seus personagens, a maneira de deduzir desses personagens a trama e as complicações das histórias que criou, influenciaria, depois, a técnica de Henry James.
  • A obra de Jane Austen é considerada clássica e alguns de seus livros encontram no panteão de grandes livros da literatura universal.
  • Da autora, eu recomendo os livros, Razão e Sensibilidade,  Orgulho e Preconceito, Emma, Mansfield Park e A abadia de Northanger, todos clássicos de literatura inglesa. Recomendo sempre traduções e edições mais modernas. A escrita da autora é acessível e extremamente envolvente com fina ironia e inteligência. 
  • Há também inúmeras, dezenas de peças, séries, minisséries, novelas e filmes baseados na obra da autora. Destes, eu recomendo, Orgulho e Preconceito (as versões de 1940 e de 2005. A de 1940 é filmada com Laurence Olivier como Mr. Darcy e a de 2005 com Keira Knightley como Elizabeth). Recomendo também o filme Razão e Sensibilidade de 1995 com Emma Thompson na direção e no elenco, além de Kate Winslet no elenco. Para finalizar, mais dois filmes, A Abadia de Northanger (2007), com Felicity Jones e Amor e Inocência (2007) com Anne Hathaway, um filme para assistir ao lado da namorada ou do namorado.
  • Ela morreu aos 41 anos, após desenvolver o que hoje se conhece como doença de Addison, em que há um déficit de produção, pelas glândulas suprarrenais, de certos hormônios. Sua obra e seu legado permanecem influenciando leitores e pessoas ao redor dos séculos.

Clarice Lispector, a hora da grande estrela brasileira da literatura

Clarice Lispector
====================================
  • Dia 8 de dezembro: assassinato de John Lennon, nascimentos do pintor Diego Rivera, da poetisa Florbela Espanca e de Jim Morrison. Dia 10 é o aniversário de Ada Lovelace. Dia 11, Carlos Gardel e Noel Rosa. Dia 12, Flaubert, Frank Sinatra e Silvio Santos e, finalmente, Dia 13: Luís Gonzaga e Adélia Prado.
  • Mas a grande homenageada nesta semana é uma mulher que também faz aniversário esta semana (inclusive aniversário de nascimento e de morte). Uma escritora que nasceu na Ucrânia, mas que tem valores e raízes totalmente fincadas no Brasil. Vamos falar sobre Clarice Lispector.
  • Clarice Lispector, nascida Chaya Pinkhasovna Lispector, nasceu dia 10 de dezembro de 1920 em Tchetchelnik, na Ucrânia e faleceu dia 9 de dezembro de 1977 aos 56 anos. Clarice, como passou a se chamar quando imigrou para o Brasil, é autora de romances, contos e ensaios e é considerada uma das mais importantes escritoras do século XX.
  • É filha de Pinkouss e de Mania Lispector. O casal já tinha duas outras meninas: Leia, de 9 anos, e Tania, de 5. O nascimento ocorre durante viagem de emigração da família em direção à América – os pais, judeus fugiam do antissemitismo daquela região européia.
  • A família passou um breve período em Maceió, mas consolidou-se mesmo em Recife onde Clarice cresceu e onde, aos oito anos, perdeu a mãe (ela mesma sempre se declarou pernambucana). Aos quatorze anos de idade transferiu-se com o pai e as irmãs para o Rio de Janeiro, local em que a família se estabilizou e onde o seu pai viria a falecer, em 1940. 
  • Desde pequena, Clarice estudou várias línguas (português, francês, hebraico, inglês, iídiche) e teve aulas de piano. Era boa aluna na escola e gostava de escrever poemas. Sempre foi muito ligada à literatura tendo lido obras de gigantes como Herman Hesse, Julien Green e Dostoiévski além de Eça de Queirós, Machado de Assis José de Alencar, Graciliano Ramos, Jorge Amado e Rachel de Queiroz.
  • Em 1939, com 19 anos, ingressa na Escola de Direito da Universidade do Brasil e começa a dedicar-se totalmente à sua grande paixão: a literatura, logo se consagrando como escritora, jornalista, contista e ensaísta, tornando-se uma das figuras mais influentes da Literatura brasileira e do Modernismo, sendo considerada uma das principais influências da nova geração de escritores brasileiros. É incluída pela crítica especializada entre os principais autores brasileiros do século XX.
  • Após a morte de seu pai, em 1940, Clarice começa sua carreira de jornalista. Nos anos seguintes, trabalha como redatora e repórter na Agência Nacional, no Correio da Manhã e no Diário da Noite.
  • Em 1943, casa-se com o Diplomata Maury Gurgel Valente, com quem teve dois filhos. Seu primogênito, Pedro, foi diagnosticado com esquizofrenia. Seu segundo filho, Paulo, foi afilhado do escritor Érico Veríssimo.
  • Devido à profissão de seu marido, Clarice viveu em muitos países do mundo, desde Itália, Inglaterra, Suíça e Estados Unidos. O relacionamento durou até 1959, e quando resolveram se separar, Clarice retornou ao Rio com seus filhos.
  • Suas principais obras marcam cada período de sua carreira. Perto do Coração Selvagem foi seu livro de estreia, publicado quando Clarice tinha 24 anos de idade; Laços de Família, A Paixão segundo G.H., A Hora da Estrela e Um Sopro de Vida são seus últimos livros publicados. 
  • Sua obra está repleta de cenas cotidianas simples e tramas psicológicas, reputando-se como uma de suas principais características a epifania de personagens comuns em momentos do cotidiano. Eu recomendo todos os livros de Clarice, pois todos são acessíveis e trazem um pouco da escritora, com destaque, claro, para Perto do Coração Selvagem(1943),  A Hora da Estrela (1977), Laços de Família (1960), A paixão segundo G. H. (1964) e A descoberta do mundo (1984).

Walt Disney, o fundador da maior empresa de entretenimento do mundo.

Walt Disney
====================================
  • Esta semana nossa coluna homenageia o homem que foi responsável pela invenção de gêneros cinematográficos, criou personagens ícones da cultura mundial além de ser o cofundador da maior empresa de entretenimento do mundo. Esta semana a coluna faz uma homenagem ao norte-americano, Walt Disney.
  • Walter Elias Disney, conhecido e popularizado como Walt Disney, nasceu dia 5 de dezembro de 1901, há 118 anos, na cidade de Chicago e foi um animador, cineasta, diretor, roteirista, dublador, empreendedor e produtor cinematográfico.
  • Tornou-se mundialmente conhecido por ser o pioneiro do ramo da animação tendo produzido o primeiro longa-metragem de animação Branca de Neve e os Sete Anões (1937) além de ser o criador de personagens icônicos como Mickey e Pato Donald.
  • Walt Disney é filho do empreiteiro Elias Disney e da professora Flora Call Disney. Com 7 anos já revelava talento para o desenho. Com 14 anos ingressou no Kansas City Art Institute. Com 16 anos, entrou para a Cruz Vermelha, onde foi motorista de ambulância. Com 18 anos retornou para Kansas City e iniciou sua carreira de cartunista de propaganda e depois passou a produzir filmes publicitários.
  • Por volta de 1923, deixou Kansas City e partiu para Hollywood, levando um filme feito com a técnica de desenho animado e atores reais. Junto com o irmão montou uma produtora e ofereceu seus filmes à distribuidora M. J. Winkler. Produziu "Alice" e em seguida "O Coelho Oswald”. Esta empresa é a gênese da atual maior empresa de entretenimento do mundo, a Walt Disney Company.
  • Em 1925, casou-se com Lillian Bounds, uma de suas primeiras funcionárias. Em 1927 criou o camundongo, que foi batizado por sua esposa, com o nome de "Mickey Mouse", que se tornaria um dos maiores sucessos de sua produtora. Em 1928, lançou Steamboat Willie, o primeiro desenho com som da história. Nos anos seguintes, para contracenar com o Mickey Mouse, Walt Disney criou as personagens "Pato Donald", o "Pateta" e o "Pluto”. Em 1932, recebeu seu primeiro Oscar, com o filme "Flowers and Trees”. 
  • Walt Disney já havia criado curtas-metragens e animações, mas em 1935 divulgou sua ideia revolucionária de criar uma nova forma de arte. No início foi considerado louco, pois Hollywood não acreditava que adultos pagariam para assistir à uma animação. Ignorando as críticas e com o apoio de seu irmão Roy, hipotecou vários bens e pegou empréstimo bancário para realizar seu sonho. Foram investidos mais de um milhão de dólares para a criação do longa-metragem, em plena Grande Depressão americana. A ousadia do visionário, Walt Disney mudou a história do cinema mundial, elevando a animação à categoria de arte. Com o lucro do filme, Disney construiu um estúdio, dando sequência a outras produções e iniciando um império de entretenimento, que além de produzir dezenas de filmes e animações expandiu-se num conglomerado que inclui parques temáticos, brinquedos, jogos e livros com centenas de personagens. Outros longas vieram na sequência, entre eles, "Pinóquio", "Fantasia”, “Bambi" e Cinderela. 
  • Após deixar de atuar exclusivamente com animações, a Disney expandiu seus negócios para o teatro, parques temáticos, música, rádio e mídia online. Hoje, a The Walt Disney Company opera redes de televisão pagas e tem como subsidiárias empresas como Lucasfilm, Marvel Entertainment, Pixar, ABC e Fox. De acordo com a Walt Disney, seu principal objetivo é "tornar as pessoas felizes". 
  • Disney e sua equipe sempre diziam, à época do lançamento revolucionário de Branca de Neve que sabia que todas as pessoas foram crianças um dia. Hoje, sua empresa, além de povoar o imaginário do mundo inteiro, tem um valor de mercado de cerca de 155 bilhões de dólares, com ativos de 96 bilhões e faturando cerca de 55 bilhões de dólares por ano. 
  • Há dezenas de biografias e filmes sobre Disney e seu legado cultural impressionante. Eu recomendo os filmes Walt antes do Disney, de 2015 que conta a saga e os obstáculos enfrentados na criação de suas obras e o livro Walt Disney. O Triunfo da Imaginação Americana de Neal Gabler, um petardo de quase 800 páginas sobre a vida de Walt Disney.
  • Walt Disney é a pessoa que venceu o maior número de Óscars na história, sendo 22 prêmios e 59 indicações. Disney faleceu dia 15 de dezembro de 1966 de câncer de pulmão em Burbank, Califórnia. Seu corpo foi cremado e suas cinzas estão no Forest Lawn Memorial Park, Glendale. Morreu antes da inauguração de um de seus últimos sonhos, o parque Walt Disney World, na Flórida, que foi inaugurado em 1971.

Eça de Queirós e Mark Twain, dois expoentes da literatura de seus países

Eça de Queirós e Mark Twain, dois expoentes da literatura de seus países
====================================
  • Nossa coluna homenageia dois grandes escritores que nasceram neste semana e que são não só grandes expoentes mas definidores da literatura de seus respectivos países e idiomas: o português Eça de Queirós e o norte-americano, Mark Twain.
  • José Maria de Eça de Queiroz, nasceu em Póvoa de Varzim, região noroeste de Portugal, dia 25 de novembro de 1845, há, portanto, 174 anos. Foi um escritor e diplomata português, considerado um dos maiores (senão o maior) escritor em Língua Portuguesa de todos os tempos. Filho do brasileiro José Maria Teixeira de Queirós e a da portuguesa Carolina Augusta Pereira de Eça. Passou sua infância e adolescência longe da família, sendo criado pelos avós paternos. Foi interno no Colégio da cidade do Porto. Em 1861 ingressou no curso de Direito da Universidade de Coimbra, onde se formou em 1866. Em 1869, como jornalista, assistiu a inauguração do Canal de Suez, no Egito, que resultou na obra O Egito, publicada postumamente. Depois, instalou-se em Leiria, como administrador do Conselho.
  • Em 1875 publica O Crime do Padre Amaro, romance que representou o marco inicial do Realismo em Portugal, nele, Eça faz uma crítica violenta da vida social portuguesa, denuncia a corrução do clero e a hipocrisia dos valores burgueses. Em 1878 publica O Primo Basílio, em que coloca como tema o adultério, focalizando a decadência da família burguesa de seu tempo. A crítica social unida à análise psicológica aparece também no romance Mandarim.
  • Em 1888 foi nomeado cônsul em Paris, ano que publica Os Maias, iniciando uma nova fase em sua carreira literária, quando o autor abstrai-se da sátira contundente e da ironia caricatural da família ou da sociedade burguesa, para conduzir-se a uma trilha construtiva.  Eça faleceu em Neuilly-sur-Seine, 16 de agosto de 1900. Sou suspeito para falar de Eça, pois para mim, é um dos melhores escritores realistas não só da Língua Portuguesa, mas do mundo inteiro. A crítica mordaz e a escrita de estilo inconfundível, quase uma poesia em forma de prosa em muitos trechos, é sua marca característica. Eu recomendo os livros Os Maias, O crime do Padre Amaro e o Primo Basílio, três dos melhores romances em Língua Portuguesa.
  • Mark Twain  é o pseudônimo de Samuel Langhorne Clemens, nasceu na vila chamada Florida no estado norte-americano do Missouri, dia 30 de novembro de 1835, há, portanto, 184 anos (dez anos antes de Eça). É considerado um dos pilares da literatura essencialmente americana, ou seja, aquela em oposição à literatura inglesa, dos colonizadores. Mark Twain tem um estilo baseado numa fala americana colorida, vigorosa e coloquial criando, assim, uma ampla galeria de tipos e uma iconografia essencialmente americana. 
  • Com uma infância difícil, após perder o pai aos 12 anos, Clemens começou a trabalhar como entregador, escriturário e ajudante para ajudar financeiramente à família. Aos 13 tornou-se aprendiz de tipografia, viajou pelo país, aprendeu navegação no rio Mississipi, vindo a tornar-se posteriormente piloto fluvial. Participou da guerra civil e, após o conflito, foi morar em Nevada com seu irmão. Lá passou a escrever para um jornal da cidade de Virginia. Em seus primeiros contos registrou uma forte tradição do humor típico do Oeste, um veio espirituoso que seria uma de suas marcas registradas.
  • Mark Twain obteve grande êxito como escritor e palestrante. Seu raciocínio perspicaz e suas sátiras incisivas renderam-lhe a admiração de seus pares e o enaltecimento dos críticos, e Twain manteve boas relações com presidentes, artistas, industriais e a realeza europeia. Ele foi laureado como o "maior humorista americano de sua época", sendo definido por William Faulkner como o "pai da literatura americana”.
  • Suas obras primas (e os livros que recomendo) são os As aventuras de Tom Sawyer de 1876 em que o autor cria uma das mais famosas duplas da literatura mundial, Tom Sawyer e Huck Finn e o livro As aventuras de Hucleberry Finn de 1884. Considerado o grande romance sobre o ideal da democracia americana.
  • Mark Twain morreu em Redding, Connecticut dia 21 de abril de 1910. Ao ler estes livros, procure por edições e traduções mais modernas, de preferência com notas que ajudam muito a leitura. Há inúmeros filmes, novelas, e minisséries baseados nas obras destes autores. Procure-os e delicie-se com dois dos maiores escritores da literatura universal.

Clóvis, Cortella, Karnal e Pondé: a filosofia para as multidões

Clóvis, Cortella, Karnal e Pondé: a filosofia e a história como remédios para o amargo da vida 
====================================
  • Na semana em que homenageamos os nascimentos de Martin Scorsese e Rachel de Queiroz (17) e Voltaire (21) nossa coluna abraça o feNômeno que vem ocorrendo nas editoras de livros brasileiras que é uma crescente e constante procura por livros de filosofia, e de auto-ajuda relacionada à filosofia, ou, na verdade, a filosofia como resposta a questões complexas e até mesmo as banais do mundo moderno.
  • Nesta seara se destacam os 3 pensadores da, assim chamemos, filosofia para as multidões, Mário Sérgio Cortella, Leandro Karnal e Luiz Felipe Pondé, ao que poderíamos acrescentar um quarto, o professor Clóvis de Barros Filho. Se procurarmos nas listas de livros mais vendidos, no Brasil, dos últimos 3 ou 4 anos, ao menos um deles (ou todos eles) estarão presentes. Vamos conhecer quem são eles e do que eles tratam e o porquê desse feNômeno de procura pelo conhecimento em forma de filosofia para o cotidiano ou para enfrentar as dificuldades e vicissitudes da vida.
  • Os quatro citados, Clóvis, Cortella, Karnal e Pondé fizeram sucesso traduzindo raciocínios complexos de filósofos, escritores e pensadores como Epicuro, Schopen­hauer, Shakespeare e Hegel para o cotidiano brasileiro. Ganharam inúmeros fãs e seus livros vendem milhões de exemplares.
  • Leandro Karnal é gaúcho, nasceu em São Leopoldo, dia 1 de fevereiro de 1963 tendo, portanto, 56 anos. É historiador e professor da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). É doutor em história pela USP e tem publicações acadêmicas sobre história da América. Tem 17 livros publicados sozinho ou com diversas parcerias (entre elas: Pe. Fábio de Melo, Monja Cohen, Clóvis de Barros Filho, Cortella e Pondé, entre outros). Eu recomendo: “O que aprendi com Hamlet”por que o mundo é um teatro”, “Crer ou não crer” e “felicidade ou morte”. 
  • Luis Felipe Pondé é pernambucano de Recife, nasceu dia 29 de abril de 1959 tendo, portanto, 60 anos. É doutor em filosofia pela USP. Tem mais de 14 livros publicados sozinho ou em parceria. Tem um pensamento claramente liberal e conservador e se inspira em autores como Hume, Adam Smith, Edmund Burke, Alexis de Tocqueville e Roger Scruton (que rejeita a aproximação entre o conservadorismo e liberalismo). Pondé, entretanto, traça paralelos e uma linha comum entre esses autores e seus pensamentos. Eu recomendo os livros: Crítica e profecia: filosofia da religião em Dostoiévski (2003) e Filosofia para Corajosos (2016).
  • Clóvis de Barros Filho, nasceu em Ribeirão Preto-SP, em 21 de outubro de 1966 tendo, portanto, 53 anos. É formado em Direito, Jornalismo e Filosofia pela USP. É professor de ética da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. É mestre em Ciência Política pela Université Sorbonne Nouvelle de Paris (1990) e doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Tem cerca de 24 livros publicados sozinho ou em parcerias diversas, como os outros autores citados nesta coluna, entre os quais eu destaco, “A filosofia explica as grandes questões da humanidade”em parceria com Júlio Pompeu e “Ética e vergonha na cara” em parceria com Cortella.
  • Mário Sérgio Cortella, nasceu em Londrina, dia 5 de março de 1954, tendo, portanto, 65 anos, é filósofo e professor de Filosofia da PUC-SP. É mestre e doutor pela mesma PUC-SP tendo como orientador do doutorado, o patrono da Educação brasileira, Paulo Freire. Foi Secretário Municipal de Educação de São Paulo (1991/1992) no governo de Luiza Erundina. Tem mais de 40 livros publicados, entre os quais eu destaco: “Não nascemos prontos”, “Não espere pelo epitáfio”, “A era da Curadoria” com Gilberto Dimenstein, “Qual é a tua?” e “Política para não ser idiota” em parceria com Renato Janine Ribeiro. Seu pensamento é voltado para a educação, religião e espiritualidade e filosofia como remédio para a alma, além de ética e moral.
  • O sucesso desses pensadores e seus livros, palestras e vídeos é muito importante e mostra o quanto os brasileiros gostam de ler quando há algo interessante a ser contado ou ensinado. Mostra também o quanto o mundo atual e sua velocidade angustiante gera cidadãos necessitados da vontade de parar, pensar, raciocinar e buscar soluções para os dilemas da vida e do mundo moderno.

Dostoiévski e o romance psicológico

Dostoiévski  e o romance psicológico 
====================================
  • Nesta semana, do dia 10 ao dia 16 de novembro nós lembramos o nascimento de Martinho Lutero, no dia 10, Santo Agostinho e Robert Louis Stevenson, no dia 13 e José Saramago no dia 16. Mas, o tema de nossa coluna semanal é aquele que é considerado, por justa razão, um dos maiores escritores e pensadores de todos os tempos, um homem que privilegiava, através da escrita, os grandes temas da humanidade (e a própria humanidade). Um escritor que influenciou a Literatura, a Filosofia, a Psicologia, a Teologia e preparou as bases do mundo tal qual o conhecemos, o russo, Dostoiévski.
  • Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski, nasceu dia 30 de outubro de 1821, pelo calendário Juliano Russo da época, o que representa o dia 11 de novembro de 1821 pelo nosso calendário Gregoriano. Nasceu em Moscou, há, portanto, 198 anos, quase dois séculos. Faleceu em São Petersburgo, dia 28 de janeiro de 1881, pelo calendário juliano o que representa o dia 09 de fevereiro de 1881, pelo nosso calendário atual.
  • O pai de Dostoiévski, Mikhail Andriéievitch apesar de imprimir uma disciplina severa à família, incentivava os sete filhos ao amor pela cultura. Em 1837, a mãe de Dostoiévski morreu precocemente de tuberculose. A perda foi um choque para o pai, que acabou mergulhando na depressão e no alcoolismo. Fiódor e seu irmão foram então enviados à Escola de Engenharia, em São Petersburgo. O pai, morreu pouco depois, assassinado, provavelmente, pelos próprios empregados. A família tinha uma educação religiosa no cristianismo ortodoxo.
  • Em 1843, concluiu os estudos de Engenharia e obteve o grau militar de subtenente. Durante esses anos, dedicou-se à tradução, incluindo a obra de Balzac, um autor que ele admirava. Em 1844 abandonou o exército e começou a escrever a novela Pobre gente, que recebeu uma crítica positiva no seu lançamento. Foi nesta época que contraiu dívidas e sofreu o primeiro ataque epilético. À primeira obra, seguiram-se Noites brancas (1848), entre outras novelas e contos, que não tiveram a mesma acolhida da crítica.
  • Após lançar suas primeiras obras, engajou-se na luta da juventude democrática russa pelo combate ao regime autoritário do Czar Nicolau I. Em São Petersburgo, dedicou-se integralmente à escrita, produzindo seis grandes romances, entre os quais suas obras-primas Crime e Castigo (1866), O Idiota (1869) e Os Irmãos Karamazóv (1880). Tinha problemas financeiros por seus vícios, entre eles, o jogo (de onde viria a maravilhosa obra, O Jogador).
  • Tais livros serviram como o reflexo de uma era turbulenta na história russa, quando a política radical que viria a dominar o século XX lutou com um intenso cristianismo ortodoxo pelos corações e mentes de um país polarizado.
  • Durante sua vida, como escritor, Dostoiévski produziu, romances, novelas, contos, memórias, escritos jornalísticos e escritos críticos. 
  • Além disso, atuou como editor em revistas próprias, como preceptor e participou de atividades políticas. Suas obras mais importantes, claro, foram as literárias, onde abordou, entre outros temas, o significado do sofrimento e da culpa, o livre-arbítrio, o cristianismo, o racionalismo, o niilismo, a pobreza, a violência, o assassinato, o altruísmo, além de analisar transtornos mentais, muitas vezes ligados à humilhação, ao isolamento, ao sadismo, ao masoquismo e ao suicídio. Pela retratação filosófica e psicológica profunda e atemporal dessas questões, seus escritos são comumente chamados de romances filosóficos e romances psicológicos sendo ele um dos precursores de ambos.
  • Eu destaco, entre suas obras, os magníficos livros, Memórias do Subsolo (1864), Noites Brancas e outras histórias, e as já citadas, Crime e Castigo (considerado um dos melhores romances da história), O Idiota, e Os Irmãos Karamazóv (1880), livro onde há a clássica frase de Ivan Karamazov, que dizia: "Se Deus não existe, tudo é permitido”.
  • Finalizo, lembrando que Dostoiévski é considerado um autor de complexa leitura, principalmente por suas monumentais obras, algumas ultrapassando as mil páginas, mas, insisto aqui, há um prazer incrível na leitura de seus textos, extremamente complexos e profundos. Aos que consideram o autor difícil, eu recomendo iniciar por suas novelas e contos e só depois se aventurar nas páginas excepcionais de seus grandes romances.

Cecília Meireles, a voz lírica feminina do Brasil

Cecília Meireles, a voz lírica feminina do Brasil
========================================
  • Nesta semana, dia 06 de novembro, gostaríamos de lembrar o nascimento do escritor Robert Musil, Marie Curie, Ary Barroso e Albert Camus (dia 7), Carl Sagan (dia 9) e Martinho Lutero e  Schiller (dia 10), mas o tema de nossa coluna é aquela que é uma das mais importantes vozes líricas da literatura em língua portuguesa e primeira voz feminina de grande expressão da literatura brasileira, a grande Cecília Meireles.
  • Cecília Benevides de Carvalho Meireles, nasceu no Rio de Janeiro, dia 07 de novembro de 1901, há 118 anos e faleceu, de câncer dia 09 de novembro de 1965, dois dias depois de fazer 63 anos, também no Rio de Janeiro. Ela foi uma jornalista, pintora, poeta e professora brasileira.
  • Foi criada pela sua avó católica e portuguesa da ilha dos Açores. Isso porque seu pai havia morrido três meses antes de seu nascimento e sua mãe quando tinha apenas 3 anos.
  • Desde pequena recebeu uma educação religiosa e demonstrou grande interesse pela literatura, escrevendo poesias a partir dos 9 anos de idade.
  • Sua estreia literária aconteceu em 1919 com o livro “Espectros”, reunião de sonetos escritos a partir de 1915. Sua obra mais conhecida é o épico “Romanceiro da Inconfidência”, de 1953. 
  • Embora cronologicamente vinculada a segunda fase do modernismo brasileiro, sua obra poética traz influências simbolistas, românticas barrocas e parnasianas, destacam-se: “Nunca Mais” (1923), “Poema dos Poemas” (1923), “Baladas para El-Rei” (1925), “Viagem” (1939), “Vaga Música” (1942), “Mar Absoluto e Outros Poemas” (1945), “Retrato Natural” (1949), “Doze Noturnos da Holanda” (1952), “Poemas Escritos na Índia” (1950), “Metal Rosicler” (1960), “Solombra”(1963). 
  • Sobre ela escreveu o crítico Paulo Rónai: “Considero o lirismo de Cecília Meireles o mais elevado da moderna poesia de língua portuguesa. Nenhum outro poeta iguala o seu desprendimento, a sua fluidez, o seu poder transfigurador, a sua simplicidade e seu preciosismo, porque Cecília, só ela, se acerca da nossa poesia primitiva e do nosso lirismo espontâneo. A poesia de Cecília Meireles é uma das mais puras, belas e válidas manifestações da literatura contemporânea”.
  • Eu não canso de repetir o quanto eu aprecio poesia e o quanto o mundo precisa dela, a cada dia mais. Com uma realidade a cada dia mais dura, mais complicada, mais rápida, mais acelerada, com muitos precisando de auxílios químicos para manter a saúde e a sanidade mental. Vivemos tempos sombrios, de medo, de ódio, de intolerância…
  • Quem precisa da poesia? Uma frase do filme “O carteiro e o poeta” de 1994 nos diz que “A poesia não é de quem a escreve, mas de quem precisa dela” e nunca o mundo, desiludido e pós-moderno, precisou tanto dela. Termino com os versos de “Motivo”, poema de Cecília contido no livro “Cecília Meireles — Poesia Completa”, editora Nova Fronteira.

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.
Próxima página

Megafono