Universo Literário

Assine:

Ver todos episódios

Dostoiévski e o romance psicológico

Dostoiévski  e o romance psicológico 
====================================
  • Nesta semana, do dia 10 ao dia 16 de novembro nós lembramos o nascimento de Martinho Lutero, no dia 10, Santo Agostinho e Robert Louis Stevenson, no dia 13 e José Saramago no dia 16. Mas, o tema de nossa coluna semanal é aquele que é considerado, por justa razão, um dos maiores escritores e pensadores de todos os tempos, um homem que privilegiava, através da escrita, os grandes temas da humanidade (e a própria humanidade). Um escritor que influenciou a Literatura, a Filosofia, a Psicologia, a Teologia e preparou as bases do mundo tal qual o conhecemos, o russo, Dostoiévski.
  • Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski, nasceu dia 30 de outubro de 1821, pelo calendário Juliano Russo da época, o que representa o dia 11 de novembro de 1821 pelo nosso calendário Gregoriano. Nasceu em Moscou, há, portanto, 198 anos, quase dois séculos. Faleceu em São Petersburgo, dia 28 de janeiro de 1881, pelo calendário juliano o que representa o dia 09 de fevereiro de 1881, pelo nosso calendário atual.
  • O pai de Dostoiévski, Mikhail Andriéievitch apesar de imprimir uma disciplina severa à família, incentivava os sete filhos ao amor pela cultura. Em 1837, a mãe de Dostoiévski morreu precocemente de tuberculose. A perda foi um choque para o pai, que acabou mergulhando na depressão e no alcoolismo. Fiódor e seu irmão foram então enviados à Escola de Engenharia, em São Petersburgo. O pai, morreu pouco depois, assassinado, provavelmente, pelos próprios empregados. A família tinha uma educação religiosa no cristianismo ortodoxo.
  • Em 1843, concluiu os estudos de Engenharia e obteve o grau militar de subtenente. Durante esses anos, dedicou-se à tradução, incluindo a obra de Balzac, um autor que ele admirava. Em 1844 abandonou o exército e começou a escrever a novela Pobre gente, que recebeu uma crítica positiva no seu lançamento. Foi nesta época que contraiu dívidas e sofreu o primeiro ataque epilético. À primeira obra, seguiram-se Noites brancas (1848), entre outras novelas e contos, que não tiveram a mesma acolhida da crítica.
  • Após lançar suas primeiras obras, engajou-se na luta da juventude democrática russa pelo combate ao regime autoritário do Czar Nicolau I. Em São Petersburgo, dedicou-se integralmente à escrita, produzindo seis grandes romances, entre os quais suas obras-primas Crime e Castigo (1866), O Idiota (1869) e Os Irmãos Karamazóv (1880). Tinha problemas financeiros por seus vícios, entre eles, o jogo (de onde viria a maravilhosa obra, O Jogador).
  • Tais livros serviram como o reflexo de uma era turbulenta na história russa, quando a política radical que viria a dominar o século XX lutou com um intenso cristianismo ortodoxo pelos corações e mentes de um país polarizado.
  • Durante sua vida, como escritor, Dostoiévski produziu, romances, novelas, contos, memórias, escritos jornalísticos e escritos críticos. 
  • Além disso, atuou como editor em revistas próprias, como preceptor e participou de atividades políticas. Suas obras mais importantes, claro, foram as literárias, onde abordou, entre outros temas, o significado do sofrimento e da culpa, o livre-arbítrio, o cristianismo, o racionalismo, o niilismo, a pobreza, a violência, o assassinato, o altruísmo, além de analisar transtornos mentais, muitas vezes ligados à humilhação, ao isolamento, ao sadismo, ao masoquismo e ao suicídio. Pela retratação filosófica e psicológica profunda e atemporal dessas questões, seus escritos são comumente chamados de romances filosóficos e romances psicológicos sendo ele um dos precursores de ambos.
  • Eu destaco, entre suas obras, os magníficos livros, Memórias do Subsolo (1864), Noites Brancas e outras histórias, e as já citadas, Crime e Castigo (considerado um dos melhores romances da história), O Idiota, e Os Irmãos Karamazóv (1880), livro onde há a clássica frase de Ivan Karamazov, que dizia: "Se Deus não existe, tudo é permitido”.
  • Finalizo, lembrando que Dostoiévski é considerado um autor de complexa leitura, principalmente por suas monumentais obras, algumas ultrapassando as mil páginas, mas, insisto aqui, há um prazer incrível na leitura de seus textos, extremamente complexos e profundos. Aos que consideram o autor difícil, eu recomendo iniciar por suas novelas e contos e só depois se aventurar nas páginas excepcionais de seus grandes romances.

Megafono