Universo Literário

Assine:

Ver todos episódios

Lewis Carrol e um livro de maravilhas

Lewis Carrol e um livro de maravilhas
====================================

  • Esta semana a coluna lembra, dia 27 de janeiro o nascimento do compositor Mozart, do pintor Jackson Pollock dia 28 e Tchecov dia 29, mas a coluna tem a alegria de homenagear o nascimento, dia 27 de janeiro de 1832, do autor de um dos livros infantis mais lidos, comentados, conhecidos e elogiados de todos os tempos, o inglês Lewis Carroll, autor de Alice no País das Maravilhas.

  • Lewis Carrol é o pseudônimo de Charles Lutwidge Dodgson,  nasceu em Daresbury, há 188 anos e faleceu em Guildford em 14 de janeiro de 1898. Ele foi um escritor, poeta, fotógrafo, desenhista, matemático e reverendo anglicano britânico. Uma curiosidade é que ele era matemático de profissão, professor em Oxford e usava o pseudônimo Lewis Carroll para assinar seus livros infantis que ele escrevia como passatempo e por gostar de crianças. Carroll foi, também um dos precursores da poesia de vanguarda.

  •  Os interesses múltiplos de Carroll incluíam a lógica, a matemática, a poesia, a narrativa ficcional e a fotografia, da qual se tornou um mestre. Como fotógrafo amador destacou-se, sobretudo nas fotos de meninas.

  • Uma das modelos de suas fotografias foi Alice Liddell, filha de um amigo, o deão da Christ Church, Henry George Liddell, e que se tornou a heroína de sua obra mais famosa. “As Aventuras de Alice no País das Maravilhas” (1865), que foi um êxito de vendas e recebeu elogios da crítica. Eu acho este livro um dos melhores livros que já li e recomendo fortemente para todos os leitores, adultos ou crianças. Supostamente o livro é destinado ao público infantil, mas contém tantas charadas, enigmas, matemáticos, signos e a sátira é tão fantástica e atemporal que serve perfeitamente para adultos.

  • A história é amplamente conhecida, Alice, uma garota de 7 anos, cochilando às margens do rio Isis, vê o coelho branco de colete consultando nervosamente o relógio e decide segui-lo para debaixo da terra. Ao ir atrás do pontual coelho ela se depara com uma série de situações estranhas e absurdas. Ao bebericar poções e morder cogumelos, cresce e encolhe, do tamanho de um camundongo ao tamanho de uma casa, ou seu pescoço estica como uma cobra. 

  • Encontra em sua viagem insólita personagens já conhecidos e entranhados em nosso imaginário, como o Rato, saltando na “Lagoa de lágrimas”; a Lagarta fumando seu narguilé; o gato risonho cujo sorriso desaparece; O chapeleiro maluco e a lebre de março bebendo chá e enfiando dormidongo em um bule; a assassina rainha de copas que joga com flamingos como tacos, a triste tartaruga falsa e a cena, insólita, de um julgamento em que ela não sabe do que se trata e ninguém sabe nada sobre o crime.

  • Sempre ingênua, Alice tenta enfrentar a loucura com lógica, em uma história que cutuca, de leve, o puritanismo insensível da criação de filhos burgueses na época vitoriana britânica. Um livro absolutamente seminal e importante que, reitero, deve ser lido por todos.

  • As influências do livro são enormes, indo de peças de teatro, obras de arte, filmes, desenhos, animações, quadrinhos entre muitas outras áreas. Matrix, por exemplo, filme de 1999 é somente um das muitas obras que referenciam direta ou indiretamente a obra de Carroll.

  • Lewis Carroll escreveu Alice através do espelho, publicou também "Um Programa para um Plano de Geometria Aplicada", "Euclides e seus Rivais Modernos" e "Matemática Curiosa", todos com seu nome verdadeiro. Sob o pseudônimo, pelo qual ficou conhecido, ele publicou também, "Dinâmica de uma Partícula", "Parques Desertos" e "Belfry". Escreveu as poesias "O Caçador de Serpentes" e "Fantasmagoria”.

  • Recomendo o livro Alice no país das maravilhas na edição com as ilustrações originais de Tenniel. E, para finalizar, uma dica, do gato para Alice. Ela está perdida, não sabe qual caminho tomar em uma bifurcação. Pergunta ao gato qual caminho tomar. Ele a questiona, “para onde você quer ir”. Ela responde dizendo que não sabe. Ao que ele retruca: “para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve”. Saiba para onde ir. Comece seu caminho pelos livros.

Megafono