Universo Literário

Assine:

Ver todos episódios

Romances Policiais

Romances policiais
====================================

  • Esta semana, dia 19 de janeiro é o aniversário de nascimento de Edgar Allan Poe, nascido em 1809, em Boston, Massachussets, há 211 anos. Já falamos em uma oportunidade anterior sobre o escritor americano Poe, um dos meus escritores favoritos e um dos autores que fez eu me apaixonar pela literatura ainda na adolescência.

  • Mas hoje, a coluna homenageia um gênero que, sendo praticamente um consenso entre a crítica, o escritor norte-americano inventou, o romance policial. Sabe-se que histórias de crime e perseguição datam da mais remota antiguidade e estão presentes nas Mil e Uma Noites, na Bíblia e na obra de autores como o francês Balzac entre outros. Mas foi Poe quem lançou as bases para o gênero tal como o conhecemos, estabelecendo regras e princípios “que ainda vigoram e que poucas inovações receberam”

  • A atual milionária indústria dos romances policiais é filha de três contos de Poe publicados na imprensa americana entre os anos de 1841 e 1844. São eles: Os Crimes da Rua Morgue, O Mistério de Maria Roget e A Carta Furtada. 

  • Nos três, aparece a figura do francês Auguste Dupin, personagem inspirado no Zadig de Voltaire que detém um saber imenso e se utiliza da teoria das probabilidades, criadas por Laplace, e da análise matemática – além de uma invejável capacidade de observação – para desvendar crimes aparentemente insolúveis.

  • Dupin não é policial nem detetive particular (aliás, essa profissão nem era comum à época). É um diletante, um homem preocupado apenas com suas investigações filosóficas e científicas, que por acaso acaba auxiliando a polícia. Seu interlocutor é o narrador da história, um sujeito limitado intelectualmente e que serve de escada para os raciocínios brilhantes de Dupin. 

  • Esse homem culto e refinado devota um profundo desprezo aos métodos tradicionais da polícia, os quais julga antiquados e ineficientes. Todas essas características foram copiadas em menor ou maior grau pelos seguidores de Poe. 

  • Desde o investigador Lecoq, criado pelo francês Émile Gaboriau, o discípulo mais imediato do autor norte-americano, passando pelo Sherlock Holmes de Conan Doyle e o Hercule Poirot de Agatha Christie, até o Sam Spade de Dashiell Hammett e o Philipe Marlowe de Raymond Chandler, o perfil do detetive particular é o de um homem independente, dotado de uma inteligência superior. E que trabalha conforme as suas próprias regras, tal como Dupin.

  • Este gênero, Duramente criticado e considerado por muitos estudiosos um produto subliterário, apresenta uma estrutura narrativa mais ou menos comum permeada por alguns elementos peculiares, como a presença de um crime, sua investigação, geralmente conduzida por um detetive, e a revelação catártica do criminoso. 

  • É quase impossível citar para o leitor, romances policiais, dada sua infinidade tanto de autores quanto de histórias (além das centenas de filmes baseadas nesses livros). Eu recomendo, claro, iniciar pelos mestres, Edgar Allan Poe, Agatha Cristie, Arthur Conan Doyle, Raymond Chandler e, no Brasil, Rubem Fonseca.

  • De Poe, indico dois livros, o “histórias extraordinárias” já citado na coluna sobre poe e o livro “contos de imaginação e mistério” (de preferencia em edição mais moderna), de Agatha Cristie, recomendo “O assassinato de Roger Ackroyd e Morte no Nilo, além de “E não sobrou nenhum”, anteriormente conhecido como “O caso dos dez negrinhas”, um relíquia que possuo com o título original. De Conan Doyle recomendo “O cão dos Baskersvilles”, “Um estudo em vermelho” e o “O escândalo da Boêmia”. Após essa iniciação o leitor pode seguir por Raymond Chandler, Sidney Sheldon, Luís Fernando Veríssimo (e seu personagem Ed Mort), Graham Greene e o brasileiro Rubem Fonseca.

Megafono