Universo Literário

Um minipodcast sobre literatura e cultura em pílulas de 5 minutos sobre a cultura, suas curiosidades e seu impacto em nosso cotidiano.
Baseado na minha coluna semanal da CBN Amazônia 98.5 MHz que vai ao ar todas às segundas e terças-feiras.

Sociedade e Cultura, Literatura e TV e Filmes

Assine:

Ver todos episódios

Vinicius de Moraes, o grande "poetinha"

Vinicius de Moraes
========================================
  • Na semana passada, ouvintes, falamos aqui neste espaço do grande poeta Carlos Drummond de Andrade, gostaríamos, portanto, de homenagear, mais um poeta que deixou para sempre seu nome marcada na música popular brasileira., também nascido em outubro, conhecido como Poetinha, o grande Vinicius de Moraes.
  • Marcus Vinicius de Moraes, nasceu em 19 de outubro de 1913 no Rio de Janeiro, há, portanto, 106 anos e faleceu dia 9 de julho de 1980 no mesmo Rio De Janeiro.
  • Ele foi um poeta, dramaturgo, jornalista, diplomata, cantor e compositor brasileiro de muita fama tanto nacional quanto internacional. 
  • Filho de Clodoaldo Pereira da Silva Moraes e Lidia Cruz de Moraes, seu pai era funcionário público e músico amador e a mãe, pianista, ele tinha, portanto, a arte presente em sua vida desde o berço.
  • Começa a escrever seus primeiros versos e poemas ainda muito cedo, com apenas 9 anos. As primeiras canções foram compostas com 14 anos e com os amigos do colégio,. Com 17 anos, entra na faculdade de Direito da Rua do Catete e em 1932, com 19 anos, Publica pela primeira vez um poema de sua autoria na revista A Ordem. No mesmo ano, duas canções de sua autoria são gravadas. Em 1933 publica seu primeiro livro de poemas, “O caminho para a distância.
  • Esses foram os primeiros passos de uma carreira na poesia, na literatura, no teatro e na música que marcaria profundamente a cultura brasileira. Sua obra é vasta, passando pela literatura, teatro, cinema e música. Ainda assim, sempre considerou que a poesia foi sua primeira e maior vocação, e que toda sua atividade artística deriva do fato de ser poeta. 
  • Ainda na década de 1930, Vinicius de Moraes estabeleceu amizade com os poetas Manuel Bandeira, Mário de Andrade e Oswald de Andrade. Em sua fase considerada mística, ele recebeu o Prêmio Felipe D'Oliveira pelo livro Forma e Exegese, de 1935. No ano seguinte, lançou o livro Ariana, a Mulher.
  • Em 1954, Vinícius publica sua coletânea de poemas, Antologia Poética, mesmo ano que publica sua peça teatral Orfeu da Conceição, premiada no concurso do IV Centenário de São Paulo. Dois anos depois, quando Vinicius buscava alguém para musicar a peça conheceu um jovem pianista, Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim, O Tom Jobim, que na época tinha 29 anos.
  • Deste encontro entre Vinícius e Tom nasceria uma das maiores parcerias da música brasileira, que a marcaria definitivamente. Os dois compuseram a trilha sonora, que incluía "Lamento no Morro", "Se Todos Fossem Iguais A Você", "Um Nome de Mulher", "Mulher Sempre Mulher" e "Eu e Você”. 
  • A peça estreou no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Além destas canções, a dupla Vinicius e Tom compuseram, entre outros clássicos, "A Felicidade", "Chega de Saudade", "Eu sei que vou te amar", "Garota de Ipanema", "Insensatez", entre outras belas canções 
  • O filme baseado na peça de Vinicius, foi dirigido pelo francês Marcel Camus, Orfeu Negro. O poeta compôs duas músicas para o filme. Um ano depois, o filme seria contemplado com a Palma de Ouro em Cannes e ganharia o Oscar de melhor filme estrangeiro.
  • A influência de Vinicius de Moraes na cultura brasileira é tamanha que o espaço disponível nesta coluna é pequeno demais para sequer iniciar a contemplá-la, mas vale a lembrança que o poeta é um dos maiores compositores da MPB e da bossa nova tendo sido gravado por todos os grandes expoentes do gênero. Entres seus grandes parceiros de composição musical, destacam-se Tom Jobim, Toquinho, Baden Powell, João Gilberto, Chico Buarque e Carlos Lyra. Além de composições com Pixinguinha e parcerias com Dorival Caymmi e o grupo Os cariocas.
  • A obra de Vinicius, o “poetinha”, como era carinhosamente chamado, é essencialmente lírica e se destaca pelos seus poemas de amor e sonetos, conhecidos e recitados até hoje. Poemas como Para viver um grande amor,  Poética, Soneto de Fidelidade, Soneto do amor Total, Eu sei que vou te amar, Soneto de separação e canções como chega de saudade, tarde em Itapuã, Aquarela, Garota de Ipanema e insensatez serão eternamente lembradas. A dica da semana é mergulhar na imensa obra de Vinicius, tanto os poemas, crônicas, versos e sonetos quanto às composições musicais. Afinal, o lirismo, a paixão, a música, a vida, a obra e a poesia de Vinicius estão conosco “dentro da eternidade e a cada instante”. 

Megafono